29 de outubro de 2014

[Resenha #86] Poética - Ana Cristina Cesar




Titulo: PoéticaAutora: Ana Cristina CesarEditora: Companhia Das Letras Páginas: 504Avaliação: 5/5


Sinopse:


Ana Cristina Cesar deixou em sua breve passagem pela literatura brasileira do século XX uma marca indelével. Tornou-se um dos mais importantes representantes da poesia marginal que florescia na década de 1970, justamente pela singularidade que a distanciava das “leis do grupo”. Criou uma dicção muito própria, que conjugava a prosa e a poesia, o pop e a alta literatura, o íntimo e o universal, o masculino e o feminino — pois a mulher moderna e liberta, capaz de falar abertamente de seu corpo e de sua sexualidade, derramava-se numa delicadeza que podia conflitar, na visão dos desavisados, com o feminismo enérgico, característico da época. Entre fragmentos de diário, cartas fictícias, cadernos de viagem, sumários arrojados, textos em prosa e poemas líricos, Ana Cristina fascinava e seduzia seus interlocutores, num permanente jogo de velar e desvelar. Cenas de abril, Correspondência completa, Luvas de pelica, A teus pés, Inéditos e dispersos, Antigos e soltos: livros fora de catálogo há décadas estão agora novamente disponíveis ao público leitor, enriquecidos por uma seção de poemas inéditos, um posfácio de Viviana Bosi e um farto apêndice. A curadoria editorial e a apresentação couberam ao também poeta, grande amigo e depositário, por muitos anos, dos escritos da carioca, Armando Freitas Filho. Dos volumes independentes do começo da carreira aos livros póstumos, a obra da musa da poesia marginal — reunida pela primeira vez em volume único — ainda se abre, passados trinta anos de sua morte, a leituras sem fim.



--------------------------------------------------------------------- >< --------------------------------------------------------

   Nascida em 1952, Ana começou a "escrever" antes mesmo de se alfabetizar quando ditava e sua mãe datilografava. Ela foi formada em letras pela PUC- Rio, mestre em comunicação pela UFRJ e em teoria e prátaica de tradução literária pela Universidade de Essex, na Inglaterra. Aos 30 anos Ana C. morreu jogando-se da janela do apartamento que morava no 8º andar. 


   Até hoje eu tento achar uma palavra que defina Ana C. e sua obra. Devo confessar que não era um dos maiores fãs de poesias e poemas, mas depois de ler poética tenho apetite por esse estilo literário. Poética nada mais é que o conjunto da obra da poetisa carioca. Eu achei esse livro por indicação de um vendedor amigo na livraria da minha cidade e quando abri o livro e li um de seus poemas eu me apaixonei, tanto pela autora quanto pelo seu jeito único de escrever.


Flores do mais 

devagar escreva
uma primeira letra 
escrava 
nas imediações construídas 
pelos furacões; 
devagar meça 
a primeira pássara
bisonha que 
riscar 
o pano da boca 
aberto
sobre os vendavais;
devagar imponha
o pulso 
que melhor 
souber sangrar 
sobre a faca
das marés;
devagar imprima
o primeiro
olhar 
sobre o galope molhado
dos animais; devagar 
peça mais 
e mais e
mais. 


   Poética junta a obras já publicadas e também inéditos sendo dividindo assim: Cenas de AbrilCorrespondência CompletaLuvas de PelicaA Teus Pés: prosa/poesiaInéditos e dispersos: poesia/prosaAntigos e Soltos: poemas e prosas da pasta rosaVisita à Oficina.


Nada, Esta Espuma 
Por afrontamento do desejo 
insisto na maldade de escrever
mas não sei se a deus sobe à superfície 
ou apenas me castiga com seus uivos.
Da amurada deste barco
quero tanto os seios da sereia.


   As poesias de Ana C. te preenchem e tomam conta de ti de uma forma tão completa e bela que é difícil explicar tamanha genialidade dela. Não estou colocando-a em um pedestal, longe disse. Ana marcou a história da literatura brasileira, e tinha também um jeito bem peculiar de escrever e de um jeito desordenado na hora de escrever Ana C. mostra lapsos e cenas da vida, vida essa acompanhada de morte muita das vezes.  O livro poética tem uma capa que chama a atenção de todos pelo fato de ser em cores vivas e com letras em azul com uma diagramação boa e simples.


Poema datilografado de Ana Cristina Cesar, em agosto de 1958. (Arquivo Instituto Moreira Salles)



   Eu realmente não tenho muito o que falar sobre esse livro, pois ainda estou tentando achar palavras para descreve-lo. e como a nossa amiga Hazel Grace, da Ana Cristina Cesar eu leria até a lista de compras. Espero que tenham gostado da resenha e leiam esse livro. 



Beijos, Luan 














3 comentários:

  1. Olá, Luan!
    Adorei conhecer um pouco da obra e da poeta. Eu não conhecia Ana C., mas as poesias que colocou aqui me permitiram entender um pouco do seu encanto. :) Bela dica de leitura.

    Beijos!
    http://www.myqueenside.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Luan, tudo bem?
    Adorei conhecer um pouco sobre a autora e sobre seu livro, gosto bastante de poesia, mas não conhecia ainda as obras da Ana Cristina Cesar.
    Fiquei muito interessada pelo livro, já que a um bom tempo não leio um bom livro de poesias.

    Abraço!
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir