2 de fevereiro de 2017

{ Vamos conversar?} Por que fiz faculdade de matemática


Vamos bater um papo pessoal?
Hoje irei iniciar o assunto profissão e também estudos.
Para tal bate papo resolvi trazer para vocês o motivo de eu ter escolhido fazer faculdade de matemática.

Quando terminei o Ensino Médio lá em 2009 no auge de meus 16 anos, fiquei cheia de coisas em mente, pois tinha acabado de Prestar vestibular para UERJ e também feito o ENEM, mas não tinha muita vontade de sair de casa e ir para longe cursar faculdade. Porque por mais perto que fosse da minha casa a maioria dos cursos eram integrais, o que me faria ter que morar mais próximo a faculdade. Isso era no minimo assustador. 

Foto do Google
Mas no inicio de janeiro de 2010 percebi que tudo tinha acabado, eu não tinha mais um curso para ir, uma escola para frequentar, ninguém iria dar emprego a uma menina de 16 anos com carteira assinada e o pré vestibular também tinha terminado. O que fazer da minha vida ? Eu não sabia e nem meus pais. 
Acabei adquirindo maus hábitos, comia mal, dormia tarde e acordava mais tarde ainda. Era como se minha vida tivesse se acabando. 

Preocupada com minhas enumeras crises de dor de cabeça minha mãe decidiu me levar à neurologista. Que foi um amor de pessoa e me explicou que eu precisava urgente achar algo para fazer ou iria entrar em depressão. Passei a tomar remédios fortes para dormir e a traçar um plano de ação. 

Foto do Google
Em Maio mais ou menos fui chamada para compor uma nova turma de um dos cursos ofertados pelo SENAI e não perdi tempo aceitei, seria um estimulo a mais para conseguir algo. Neste tempo entre Maio e Dezembro de 2010 muitas coisas aconteceram e uma delas foi meu amor pelas forças armadas do nosso Pais, coloquei na cabeça que eu precisava ser Militar. 

Foto do Google
Conversei com meus pais e expliquei que queria muito fazer o curso da EEAR ( Escola de Especialista da Aeronáutica ), mas que para isso precisava fazer um pré militar e prestar prova etc. Foi então que iniciei meu curso em Janeiro de 2011. Com 17 anos nunca se pensa que as coisas serão tão difíceis, ao entrar no curso percebi que meu ensino publico tinha sido horrível e eu sabia muito pouco de tudo que era pedido no exame escrito de admissão. Dei o meu melhor em todos os aspectos. Após o curso do SENAI terminar me dediquei inteiramente ao pré militar. Certos dias saía de casa às 6h e só voltava as 23h. 

Foto do Google
Contudo, eu precisava de mais tempo, 6 meses era pouco, para o tanto de coisa que eu tinha que aprender, tendo em vista que eu nunca tinha visto determinados assuntos por conta do meu ensino médio ruim. Um novo problema estava a caminho, se eu não passasse na prova de junho, meu pai não teria mais condições de manter a mensalidade do curso por mais um ano. Isso porque 2010 foi o ultimo ano que teve duas provas. De lá em diante as provas ficaram sendo uma vez por ano.

Pensando mais a frente fiz logo minha inscrição no pré vestibular social ofertado pelo CEDERJ e se eu não passasse na prova da EEAR iria tentar a faculdade e estudaria sozinha para fazer a prova no outro ano. Como nem tudo são flores, minha idade estava chegando e ou eu passava para algo ou ficaria sem EEAR e sem faculdade.

Quando terminei a prova da EEAR eu já sabia que tinha faltado acertar algumas questões em física, sim! Eu fiquei desclassificada por não acertar 2 questões de física. Passando na frente de uma faculdade particular que todos comentavam ser ótima para Licenciaturas, vi que naquele ano os cursos estavam com um super desconto, a mensalidade da faculdade era 2 vezes menor que a do pré militar.

Perder tempo para que? A mensalidade cheia do pré militar era muito pro meu pai pagar, mas metade era algo a se pensar. Conversei novamente com ele e ele topou afinal eu poderia ter um diploma, coisa que o pré não iria me dar.

Foto do Google
Analisei os cursos e optei por matemática. Motivo: Eu iria iniciar a faculdade com a matéria que tinha me reprovado em física. O que eu não esperava é que com semanas de curso, fosse fazer estágio em uma escola Municipal aqui do Rio e fiquei completamente chocada do quanto eu gostava de fazer aquilo. De ensinar!

Fui estagiária da mesma escola por 2 anos e depois desse tempo notei que a educação sempre foi o meu lugar. Sempre amei brincar de professora quando pequena, estudei integral e amava passar todo meu tempo na escola, estudar e ensinar as pessoas sempre foi muito prazeroso. Matemática passou a fazer parte da minha vida, da minha rotina, da minha respiração.

Hoje penso que tudo na vida tem um proposito e talvez ficar reprovada em duas questões de física que envolviam matemática era apenas o ponta pé inicial para provar que ali não era meu lugar. Ser professora é minha vocação, meu prazer.

Uma coisa aprendi quando entrei para o curso de Licenciatura em Matemática. Analise se é isso mesmo que você quer. Busque um estágio na área, não precisa ser remunerado, apenas tenha a experiência de estar em sala de aula. Se você achar que aquilo é uma loucura e não vale o esforço, desista e busque outra coisa. Para ser um educador você precisa gostar.

Meu ensino médio foi ruim e tive poucos ensinamentos por parte de alguns professores, porque aquilo não era a profissão que eles tinham almejado para vida deles. Estavam ali por salário e para atrasar a vida dos alunos. Pois a pior coisa que têm é um professor que não está feliz em sua função e que não se preocupa com o futuro de seus alunos. Pense muito antes de escolher está profissão. Lembre-se que um professor é um formador de opiniões e de transmissão de conhecimento.

Um conselho: Faça o que você gosta de fazer.

Espero que tenham gostado meus amores,
logo volto com mais coisas sobre minha vida acadêmica.
beijos ♥♥

- Mandem ideias de post e assuntos que querem saber aqui no blog, eu leio tudo com muito carinho e com certeza se a ideia estiver ao meu alcance , virará post. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário