17 de junho de 2015

[Papo de Mãe #2] Balada - Parte 1


Eiii meus amores cá estou eu de novo com mais um Papo de Mãe ( e só para não confundir vocês, o nome dessa coluna é só por conta do nome do blog e também da minha mami claro que sempre vem com uns papos muito engraçados, mas eu ainda não sou mamãe. ), que hoje é especial sobre baladas e acreditem eu acho que posso dizer que sou uma pequena especialista neste assunto e tenho muitos babados para contar, por isso irei dividir este post, ainda não sei quantos irei postar talvez 3 ou 2, vocês saberão basta ficar ligado aqui no blog ;)

















Primeiramente pessoal eu gostaria dizer que o tema balada me remete muito a minha adolescência e também a minha fase completamente rebelde em todos os sentidos. Para vocês entenderem o período que compreende todas as baladas que já fui na vida foi basicamente entre os 11 e os 21 anos, ou seja, 10 anos ( nossa fiquei abismada aqui, eu não fazia noção de que era tanto tempo assim, credo acho que já posso casar, ter filhos, uma casa , uma biblioteca e tudinho que eu quiser porque já curti demais a vida - PEQUENA INDIRETA PARA O MEU NAMORADO, COMPARTILHEM O POST E MARQUEM ELE NO FACEBOOK PARA QUE ELE VEJA *--* ) , voltando aqui ao foco do post, então galera são 10 anos de muitas coisas engraçadas e também muita diversão. Simbora saber o que eu aprontei esse tempo todo. 


Eu me lembro como se fosse ontem do dia em que fui a primeira vez para a FOX, uma danceteria que tinha perto da minha casa e que aos domingos eles faziam baile matinê, a fox era com certeza a sensação do momento e todo mundo só sabia comentar de como era bom ir as matinês, nesta época eu tinha 11 anos e era muito, mas muito , muito mesmo, roqueira e ir a um lugar onde o que predominava era o funk me deixava apavora, contudo o problema foi resolvido na primeira vez em que fui, lá tocava de tudo e se via adolescentes de todas as tribos o que era super divertido. Eu e minhas amiga íamos todas vestidas de preto, com roupas de roqueiros mesmo, ouvíamos Link Park, Nirvana, Evanescence, Avril Lavigne, U2 e outros. Imaginem quando tocava funk, nossa ficávamos sentadas no bar bem longe da música.



Mas nem tudo são flores e com o tempo ou a gente se rendia ao que era predominante ou seriamos taxadas de estranhas e foi assim que começamos a ser ecléticas, passamos a ouvir um pouco de tudo e aprendemos a dançar para não passar vergonha. Fazíamos até ensaios para dançar bonito e receber olhares dos meninos. A fox virou literalmente o nosso ponto de encontro de todos os domingos e quando digo todos são todos mesmo, já conhecíamos os seguranças, as moças que ficavam no banheiro, os rapazes do bar e até o dono rsrs! viramos clientes vips e o mais legal é que nossos pais iam nos levar na porta, esperavam a gente entrar e na saída estavam lá para nos buscar, nos sentíamos muito queridas e fazíamos bastante inveja, porque não tínhamos vergonha dos nossos pais e eles confiavam na gente o que era mais importante.


Em menos de dois anos a fox foi fechada, ou melhor a matinê parou de acontecer por causa de problemas que creio eu por terem pessoas maiores de 18 anos frequentando o que era proibido, mas aqui onde moro sempre tem uma nova casa de show abrindo e ali não foi diferente, logo abriu a CERVA SHOW e novamente as matinês de domingo. Confesso que lá não era muito agradável, esperávamos um lugar melhor, maior, queríamos liberdade e ali não tinha. 



Ficamos uns 2 meses indo a Cerva show, mas não todos os domingos apenas alguns, talvez dois por mês e logo convencemos nossos pais a deixarem a gente ir para a WEST SHOW que até então era a maior casa de show do bairro, nesta altura do campeonato já tínhamos deixado de ser roqueiras e estamos adeptas ao funk, e a equipe de som da west show era a furacão do 2000 e nossa senhora aquilo era muito doido, eu chegava em casa com os ouvidos completamente surdos o "paredão" de caixas de show era absurdo, mas quem liga eramos adolescentes de 12, 13 anos queríamos nos divertir e assim foi.



Com a idade avançando e novas amizades surgindo, surgiram também novos ambientes e outros tipos de diversões, recordo-me de que por aqui tinham muitas festas de equipes de som ou show organizados por grupos de amigos em salões de festas normais e essas eram nossas novas baladas, essas festas costumavam começar as 16h e ir até o dia amanhecer, poderia ser de diversos tipos de som, como música eletrônica, funk, samba, e até mesmo festa de aniversário de rádios como a FM O DIA. Enfim, até mais ou menos o ano de 2008 esse era o meu tipo de curtição e eu confesso que me divertia bastante, mas não sinto muita falta daqueles tempos, algumas coisas precisamos viver apenas uma vez na vida e eu acho que já passou minha vez. 

Para resumir entre os anos de 2004 e 2008, entre os meus 11 e 15 anos eu saí muito, mas eu não imaginava o que seria o ano de 2009 nem o inicio do ano de 2010. Mas isso vocês ficarão sabendo no próximo post.



Acho que minha fase adolescente foi bem aproveitada, ou o máximo que pude até finalmente ver que realmente tinha chegado a hora de me tornar adulta, isso porque eu não contei a vocês que dos 11 anos aos 13 anos eu estudava em horário integral das 7 da manhã às 4 e 30 da tarde e que ao chegar em casa ainda precisava me arrumar para ir a natação, a explicadora e as vezes a casa de algum amigo estudar ou fazer trabalho em grupo, confesso que sempre fui muito pilhada com os estudos e a média para passar de ano era 200 pontos e eu sempre tinha mais de 300, então eu saia, mas eu sabia que tinha que ter boas notas para poder me divertir e segunda feira de manhã eu sempre acordava 30 minutos mais cedo do horário normal de acordar para ir a escola, pelo simples fato da minha mãe não ter o que falar depois. 



Minha mãe me ensinou uma coisa que eu sempre tive em mente, a frase dela era " você não é todo mundo" e eu guardei aquela frase até hoje e talvez para sempre, tive ela como um lema e nesses anos de balada e escola vi muitos dos meus amigos reprovarem, saírem da escola, amigas ficarem grávidas, meninos sendo pais e o que era mais estranho é que na balada com eles eu era a Letícia descolada e na sala de aula a Nerd Chata ou Mongol como umas meninas gostavam de me chamar, porque eu gostava de estudar e quando queria matar aula ficava na biblioteca lendo, hoje sei que aquilo me magoava muito e que muitos não eram meus verdadeiros amigos, mas eu era uma criança a mais nova da turma via tudo como diversão, porém eu não era todo mundo e para me divertir precisava mostrar que eu merecia e assim foi e é até hoje.

Fiquem com Deus, volto logo com o parte 2 e os anos de 2009 e 2010. 

Beijinhos da Lêeh

Obs.: Em matinê só entram adolescentes entre 11 e 17 anos, não é vendido qualquer tipo de bebida alcoólica e geralmente começam às 17 horas e terminam 23 horas e 50 minutos.


- Estão gostando da coluna ? Mandem ideias de temas, coisas que gostariam de saber da minha vida etc. Tenho bastante coisa para compartilhar com vocês.

                                             Instagram  | Fan Page | Skoob Twitter | YouTube



Nenhum comentário:

Postar um comentário