9 de outubro de 2013

[Resenha #9] Aprendendo a Viver - Clarice Lispector



Sinopse: Aprendendo a Viver é uma seleção das crônicas mais confessionais escritas por Clarice Lispector na década de 70. Organizado por Pedro Karp Vasquez, o livro reúne uma série de textos em que a escritora conta sua própria vida. É Clarice Lispector na primeira pessoa, detalhando passagens marcantes de sua história, divagando sobre os temas mais variados, revelando particularidades de seu cotidiano e esmiuçando seu processo criativo. Com ele, a Editora Rocco celebra os 40 anos de publicação de A paixão segundo G.H., romance que representa um divisor de águas na obra da autora e que hoje é considerado um clássico da literatura brasileira. 

Número de páginas: 220
Editora: Rocco
Autora: Clarice Lispector
Avaliação: 5/5

O que eu achei...

“(...) eu seria até capaz de fazer coisas ótimas, mas eu mesma as arrasaria depois.”

Esse foi o primeiro livro da renomada autora, que eu li, simplesmente acho que fiz a melhor escolha. Todas as crônicas de Clarice neste livro fazem você se sentir como amigo intimo dela, todas dizem um pouco de como ela é e se sente. A crônica que eu mais gostei se chama “Sou uma Pergunta”, ela só tem perguntas que fazem você refletir e passar um tempão pensando e relendo e lendo mais uma vez e outra, e com vontade de contar pra todo mundo. É um livro rápido de ser lido e não é nem um pouco cansativo, eu marquei várias partes do livro que é recheado de novos ensinamentos sem se tornar um livro auto-ajuda. Sem contar que a Editora Rocco fez uma edição magnífica, acho a capa simplesmente linda. Aí vão algumas partes do livro junto com o nome da crônica, caso queiram ler ela inteira. Dei 5 estrelas e acho que todos deveriam ler esse livro:



“À quem devo pedir que na minha vida se repita a felicidade? Como sentir com a frescura da inocência o sol vermelho se levantar? Nunca mais?
Nunca mais.
Nunca”
 (Banhos de Mar)

“E as mascaras? Eu tinha medo, mas era um medo vital e necessário porque vinha ao encontro da minha mais profunda suspeita de que o rosto humano também fosse apenas uma espécie de máscara. (...) engoli com alguma dor meu orgulho que sempre fora feroz, e aceitei humilde o que o destino me dava de esmola.”

(Restos de Carnaval)

“(...) antes o sofrimento legitimo do que o prazer forçado.”

(Em Busca do Prazer)

“Ele não quis dormir pra não perder a sensação da vida.”

(Viver)

“Por que adeus?
Por que até o outro sábado?
Por quê?

(Eu sou uma Pergunta)
   
     Desculpem pelo tamanho da resenha, eu me empolguei um pouco, mas eu gostei muito desse livro, recomendo totalmente. Beijos, Maria A.


3 comentários:

  1. Poxa amei a resenha, gostei de verdade e não ficou grande não está bem rápida de ler e ótima para expressar tudo que precisava passar. Eu não gosto muito da Clarisse, porém por incrível que pareça fiquei com vontade de ler algo dela.
    Beijos Mary,

    ~Lêeh

    ResponderExcluir
  2. Amei sua resenha até me de uma grande vontade de ler hehe Nunca li Clarisse Lispector.

    ResponderExcluir
  3. Ai meninas, obrigada, eu me esforcei ao máximo pra demonstrar o quão bom é esse livro, não coloquei nem metade de tudo que eu grifei. Se vocês nunca leram Clarice e querem começar com alguma livro, comecem com esse... MUITO BOM!

    Beijos da Maria :*

    ResponderExcluir