23 de março de 2017

{ Resenha #165} Cidades de Papel - John Green | @gabrielaofredi





Título: Cidades de Papel
Autor: John Green
Editora: Intrínseca
Ano: 2013  | Número de páginas: 368

Em uma cidade da Florida, morava Quentin Jacobsen e Margo Roth Spielgeman. Vizinhos desde pequenos Quentin sempre nutriu uma paixão secreta por Margo, a menina diferente, que tinha várias aventuras malucas na mala.
A história começa com o casal de amigos ainda criança, andando de bicicleta até o parquinho, lá eles se deparam com uma cena um tanto inusitada. Há um corpo estendido no chão. Sim, um corpo. Alguém, um homem havia morrido bem ali no parquinho, embaixo da árvore.
Depois desse dia os amigos acabaram se afastando. Então, anos mais tarde, quando ambos estão no último ano do ensino médio, durante a noite Margo entra no quarto de Quentin e depois de um curto tempo o convence a ajudá-la em uma vingança contra seu ex-namorado e sua ex-melhor amiga que estavam tendo um caso.
Os dois viram a noite indo de casa em casa para executar o plano da menina e no final invadem o Sea World para descontrair. Quentin volta para casa feliz e esperançoso, achando que depois da noite incrível que tiveram tudo iria mudar, que eles voltariam a andar juntos.
Ele não estava errado, tudo realmente muda, mas não do modo com ele achou que aconteceria, pois Margo simplesmente desapareceu. O garoto então descobre que toda vez que ela fugia deixava pistas para trás pra que a encontrassem, porém o maior problema é que dessa vez o sumiço estava levando mais tempo que qualquer outro. Isso deixa Quentin preocupado e faz com que ele encontre e siga cada pista pra tentar achar a garota por quem sempre foi apaixonado, ele só não sabia que dessa vez ela não queria se encontrada.

Confesso que comecei esse livro levada pela onda de A Culpa é das Estrelas e de Quem é Você, Alasca?. Sabia que a história era diferente, mas esperei lá o fundo que tivesse alguma ligação. Eu sei, isso foi errado.
No geral a história não é ruim, é até normal, de uma adolescente que foge porque está cansada da vida que tem, o que faltou foi o autor explicar ou pelo menos citar tais motivos. A personagem acabou se tornando uma rebelde sem causa.
Achei exagerada demais a obsessão que Quentin tinha por Margo e também que a maioria das personagens tinham personalidades vazias, principalmente a queridinha Margo. Sem saber os motivos exatos de seus sumiços acabei supondo que ela simplesmente queria ser o centro das atenções o tempo todo não importando o que ela tivesse que fazer pra que isso acontecesse e toda essa situação acabou tornando-a fútil para mim e não a garota mais incrível do colégio como é descrito no começo do livro.


Não deixem de ler o livro mesmo assim e deem suas opiniões.
Bjinhux
Gabriela Ofredi

Nenhum comentário:

Postar um comentário