16.2.17

{ Resenha #161 } Muito Veneno e um pouco de lirismo - Leandro Andreo

 

Eii meus amores,
tudo bem com vocês ?
Vamos falar um pouco de poesia hoje ?

Leandro Andreo é sempre uma grata surpresa, em parceria com o blog o autor me enviou Ivi, e foi o estopim para que eu abrisse os olhos para a poesia moderna e até mesmo as mais clássicas, em Muito Veneno e um pouco de Lirismo que o autor me convidou a ler. Diferente de Ivi , não vamos ter aquela áurea de romance, aquela leveza que me ganhou por completo. Porém garanto que é realmente impressionante o jogo que o autor faz com as palavras, dentro de versos críticos, amorosos e até mesmo nos mais cheios de veneno. 

Neste livro o autor vai nos apresentar poesias críticas a respeito, em sua maioria dos ditos novos poetas e a falta de rima, de conexão que estes novos poemas vêm trazendo. Para ilustrar este ponto do autor, algo que me chamou atenção. No texto de abertura do livro o próprio autor diz o seguinte:

" Em verdade, o público tem perdido seu interesse pela poesia porque a poesia produzida não é interessante: Simples! " 
Além de concordar com a posição do autor sinto falta da nossa poesia rimada, que em certas leituras nos lembravam melodias. Poesias como : O amor bate na aorta de Carlos Drummond de Andrade. 

O Amor bate na aorta
Cantiga de amor sem eira
nem beira,
vira o mundo de cabeça
para baixo,
suspende a saia das mulheres,
tira os óculos dos homens,
o amor, seja como for,
é o amor.
Meu bem, não chores, hoje tem filme do Carlito.
O amor bate na portao amor bate na aorta,
fui abrir e me constipei.
Cardíaco e melancólico,
o amor ronca na horta
entre pés de laranjeira
entre uvas meio verdes
e desejos já maduros.
[...]

O livro é bem curtinho e as poesias por mais que sejam críticas e nos façam pensar sobre o que o autor quis dizer, são leves, puras, sinceras e é claro que não poderia faltar aquele toque romântico, que tínhamos nas poesias de Ivi e neste novo livro elas vêm para abrilhantar ainda mais a obra. 

A leitura de poesias pode ser feita aos poucos ou como eu mesma fiz que não me aguentei e li tudo de uma só vez. Mas uma dica que faço desde sempre e adoro, é anotar aquelas poesias ou trechos delas que mais me tocaram, para que eu possa sempre ler novamente quando sentir vontade. 

Com Muito Veneno e um pouco de lirismo não poderia ser diferente, grifei todo o livro e retirei dele os trechos que mais me tocaram de alguma forma. E quero dividir com vocês alguns desses trechos. Para que sintam, assim como eu, como o autor consegui transmitir através de pequenos versos tanto do que ele têm para nos dizer.

Artista de Rua
[...]
Maquiagem caprichada
E com roupa de palhaço,
Sua face esbranquiçada
Cobre o medo do fracasso.
Ele sonhava que o circo
Era o lugar verdadeiro,
Mas fez do mundo um abrigo
E da rua, picadeiro.
[...]

Contemporânea 
Com
Contém
Com tempo
Com têmpora
Contemporânea
Contemporanenhuma  

Atitude
[...]
Se você vai sem motivo
Pra ser alegre e sorrir,
Se você anda emotivo,
Com vontade de sumir,
Pare com este lamento!
Lembre-se de algum momento
Que a vida valeu a pena
E tome-o como verdade,
Pois desta infelicidade,
A extensão será pequena. 

A Leitura foi realizada através do e-book enviado pelo autor. Neste formato o livro não apresenta erros de português, nem detalhes gráficos. Sendo assim, fico sem poder dar mais detalhes sobre diagramação como um todo. A leitura é fluída e não há dificuldades de entendimento, pois o autor usa palavras e termos fáceis de se compreender. 
Recomendo !! O livro e o autor. 

Título: Muito veneno e um pouco de lirismo | Autor: Leandro Andreo | Editora: Kazuá | Páginas: 102 | Ano: 2015 | Avaliação: 5/5 


Bom pessoal, espero que tenham a oportunidade de conhecer esta obra.
Beijos da Lêeh ♥

- Mandem ideias de post e assuntos que querem saber aqui no blog, eu leio tudo com muito carinho e com certeza se a ideia estiver ao meu alcance , virará post. 



Nenhum comentário:

Postar um comentário